EMPREENDEDORISMO

Espaço de incentivo a inovação é inaugurado em São Paulo

Espaço de incentivo a inovação é inaugurado em São Paulo Foto: Daniel Muñoz

Parceria entre o Itaú e a Redpoint E.ventures visa ajudar o ecossistema de inovação no Brasil a se manter saudável.

O Cubo, espaço para a criação, desenvolvimento e incentivo ao empreendedorismo tecnológico, foi inaugurado hoje em São Paulo a partir de uma parceria entre o banco Itaú e a empresa Redpoint E.ventures. Com o objetivo de desenvolver o “ecossistema” de startups do Brasil, o empreendimento manterá parcerias entre empresas, instituições de ensino e até órgãos do governo para o desenvolvimento de ideias inovadoras.

Sem fins lucrativos, a iniciativa promete também aproximar os empreendedores brasileiros dos mais famosos colegas internacionais, a exemplo dos que trouxe hoje para a sua inauguração: Andy Rubin, criador do sistema operacional Android, e Jeff Brody, venture capitalist (capitalista de risco).

Anderson Thees, sócio-fundador da Redpoint, afirmou no evento que hoje é o melhor momento para se empreender no Brasil, já que a inovação tecnológica que estamos vivendo não “vai esperar por causa de nenhuma crise”.

Brody explicou que “é muito difícil notar quais sãos os empreendedores diferenciados antes deles terem o sucesso”, mas ressaltou que graças a iniciativas de incentivo, “hoje está ficando mais fácil”, enquanto lembrava brincando que “é como pornografia, você não sabe o que é, mas quando ver saberá”.

Rubin destacou a importância dos investidores para o ponto de vista dos empreendedores, além da questão financeira, admitindo que poderia ter financiado ele mesmo muitos de seus projetos, mas que sempre preferiu manter a figura de um venture capitalist consigo.

“Criar algo num vácuo pode gerar várias incertezas” explicou, “por isso nessas horas é bom você ter por perto o investidor, que traz também olhos externos para o seu projeto”, assim garantindo ao empreendedor que sua visão está de acordo com o que o público verá da sua ideia.

Questionados sobre o cenário brasileiro, ambos se mostraram muito otimistas, porém destacaram que o país tem muitas particularidades na ação de uma empresa, já que “aqui leva uns três meses para você abrir uma empresa, nos EUA você levaria cerca de três horas” segundo Brody.

No entanto, esse fator nem sempre é negativo, conforme destacou o cônsul comercial de Ontário (Canadá), Todd Barret, um dos parceiros da iniciativa no Brasil. Barret acredita que os empresários canadenses podem aprender muito com empreendedores brasileiros que sabem lidar com esse tipo de burocracia que o país mantém, já que eles “funcionam nessa situação mais difícil” que a dos canadenses.

Rubin defendeu também a importância do timing para qualquer ideia, já que as condições sociais e do mercado vão influenciar muito o sucesso ou falha de qualquer empreendimento, mas reafirmou que “quando a tecnologia pode ser usada para melhorar qualquer aspecto da nossa vida, ela deve ser incentivada”.

Brody também destacou a importância das universidades para essa área de empreendedorismo, já que é nelas onde “a inovação é livre”. O investidor lembrou a importância da Universidade de Stanford no desenvolvimento do atual Vale do Silício, principal polo de inovação tecnológica do mundo atualmente.

A ida de brasileiros ao exterior para aprender também pode contribuir muito para este tipo de empreendedorismo, destacou Barret, que espera que a parceria com o Canadá neste projeto melhore ainda mais as relações do Brasil com o país. Este que hoje é o segundo país que mais recebe brasileiros para intercâmbio estudantil, depois de Portugal, segundo destacou o cônsul comercial.




Secciones: